NET Educação
RSS

Acessibilidade

A+ A-
 
Notícias

Aqui você encontra as principais notícias sobre educação.

13/05/2013 | Colunista: Richard Romancini

Educação e Facebook: o que dizem as pesquisas

Os principais motivos de uso do Facebook por estudantes estão relacionados com a interação social, principalmente na manutenção de relações já existentes.

 Costuma-se dizer, hoje em dia, que todos devem “aprender a aprender”, ao longo da vida. Se esse é um bom conselho, mais válido ainda o é para os professores. Nesse sentido, o aprendizado pelo consumo crítico da investigação acadêmica é uma habilidade importante para os docentes. O professor que acompanha a pesquisa nos temas em que tem interesse é beneficiado, no mínimo, duplamente: pode obter conhecimentos que aperfeiçoem suas práticas e ver que “não está sozinho” – muitas dificuldades são descritas em investigações educacionais.

Esse preâmbulo ao tema “Facebook e educação” se justifica pelo fato da discussão estar baseada na consulta à literatura. Pois bem, o que dizem as pesquisas sobre o assunto?
 
A revisão de estudos empíricos de Hew (Students’ and teachers’ use of Facebook, Computers in Human Behavior, v. 27, 2011, p. 662–676) organiza um número já expressivo de pesquisas (36) em três grandes tópicos de discussão: o uso que os estudantes fazem do Facebook, os efeitos deste uso e as atitudes dos estudantes quanto a essa rede social. Como nota o autor, existe socialmente uma divisão entre os defensores do Facebook e seus efeitos na educação e os críticos, que ressaltam a influência negativa do gasto de tempo excessivo em atividades sem relação com o estudo formal. No entanto, ao verificarmos o que se passa na realidade, pelas lentes da investigação, damos um passo além das opiniões prévias.
 
Assim, a revisão feita por Hew evidencia de modo mais claro que:
 
• Os principais motivos de uso do Facebook por estudantes estão relacionados com a interação social, principalmente na manutenção de relações já existentes;
 
• Embora as práticas ligadas à educação sejam percebidas pelas pesquisas, este tipo de uso é francamente minoritário, por parte dos estudantes;
 
• O possível efeito negativo desse baixo uso voltado à aprendizagem é contrabalançado pelo tempo não muito elevado (de dez minutos à uma hora por dia) que os estudantes gastam na rede social;
 
• Experiências negativas de uso do Facebook (ser perseguido, expor-se inadvertidamente à pornografia, materiais ilegais, etc.) aparecem com baixa frequência, conforme os dados sobre os estudantes. A despeito disso, a questão do controle da privacidade merece atenção, já que muitos deles demonstram ter conhecimento insuficiente do assunto, de modo que tornam públicas informações pessoais, sem clareza desse fato;
 
• Uma pesquisa aponta um menor rendimento acadêmico e menos horas de estudo entre usuários do Facebook, em comparação com não usuários. Entretanto, tal aspecto precisa ser mais investigado, já que o trabalho não permite inferir causalidade; 
 
• O efeito que as informações postadas por uma professora têm quanto à percepção dela pelos alunos é destacado num dos trabalhos. Sugere-se que, para efeito da confiança dos estudantes, a maior abertura do perfil e informações mais diversificadas têm resultado positivo.  A questão da credibilidade do professor, a partir de sua exposição no Facebook, porém, merece aprofundamentos.
 
Ao tentar explicar por que o Facebook é pouco usado com enfoque na aprendizagem pelos estudantes, Hew aponta a expectativa de uso recreativo da rede por eles, que tendem a separar propositalmente as práticas educativas e o uso do Facebook.
 
Embora somente parte das pesquisas desta revisão se desenvolva em contextos diretamente pedagógicos (instituições educativas, cursos, por exemplo), chama a atenção o fato de que o papel das escolas e professores é pouco explorado nas investigações. Assim, se por um lado sabemos que as expectativas dos estudantes no uso de redes voltam-se ao reforço ou manutenção de laços sociais e a uma dimensão mais lúdica, por outro, qual é a visão da escola e do professor diante disto? E quais têm sido suas práticas? 
 
Mediação pedagógica e uso de redes
Aspecto importante para analisar e desenhar estratégias mais válidas para a educação nos contextos de uso de redes sociais é pensar na questão da mediação pedagógica dos docentes, a partir desses ambientes digitais.
 
O impacto da mídia social na educação tem mais a ver com o segundo termo (social) do que com o primeiro (mídia). A educação sempre fez uso de mídias diversas (a lousa, o livro didático, etc.), mas hoje os estudantes possuem experiências e práticas nas novas mídias que não apenas se equiparam às dos professores, mas com frequência vão além. Por isso, carregam hábitos e expectativas de uso que demandam uma mediação pedagógica esclarecida. É preciso pensar sobre como lidar, em situação pedagógica, com essa perspectiva mais voltada à diversão, no uso da rede, por parte dos estudantes. 
 
Ao mesmo tempo, cabe notar, como possível aspecto positivo, que a cultura de manutenção de laços externos favorece práticas educativas híbridas – feitas tanto na escola quanto na rede –, que possam reforçar objetivos de aprendizagem.
 
Hew, sugerindo algumas linhas de desenvolvimento da investigação sobre o Facebook e a educação, salienta a necessidade de diversificação de seus contextos geográficos (a maioria dos estudos é do mundo anglo-saxão) e a verificação do papel da rede na motivação e estímulo à aprendizagem dos estudantes. Em ambos os casos, de fato relevantes, é possível esperar que em breve tenhamos estudos de pesquisadores locais.
 
Identificar aspectos da mediação pedagógica que possuam maior eficácia, bem como as práticas, normas e valores que as instituições educativas (sobretudo as que conseguem melhores resultados no uso do Facebook e outras tecnologias interativas) têm adotado é uma tarefa importante da pesquisa. Pesquisa esta que poderá muito bem ser feita por professores, em seus contextos e realidades.
 
Comecei o texto falando da importância dos professores consumirem pesquisa, no entanto, passo significativo no desenvolvimento profissional (e na atuação) do educador é também tornar-se produtor de conhecimento.
Richard Romancini

Richard Romancini

Richard é doutor em Comunicação, pesquisador e professor do curso de pós-graduação lato-sensu em Educomunicação da ECA-USP.

Deixe seu comentário

(0) Comentários


Participe

Opine sobre este conteúdo

pessoas gostaram disso

As notícias mais curtidas

Faça parte desta rede e envie seu conteúdo para o portal NET Educação!

  • Flávio Rodrigues
  • Jéssica Miranda
  • Mariani Silva
  • Dartagnan Freire
  • Elza Castro
  • Tatiana Campos Leonardo
  • Itamar Raul de Morais
  • Carolina Natel

Plano de Aula

Suas melhores aulas agora como referência.

Enviar

As Caras da Educação

Compartilhe suas histórias com o Portal NET Educação.

Enviar
Participe

Login

Ao se logar, você pode interagir com o NET Educação e colaborar com o envio de conteúdos!

Já sou cadastrado

Esqueci minha senha

Informe seu e-mail para nós lhe enviarmos sua senha.

Sucesso!

Sua senha foi enviada para o seu e-mail.

Voltar para a tela de login

Não sou cadastrado

É rápido e fácil se cadastrar no NET Educação. Com seu login e senha você pode acessar, gratuitamente, todas as áreas do portal.

Fechar